<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d7542969\x26blogName\x3dRecorda%C3%A7%C3%B5es:+segredos+de+um+porvir\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttps://segredosdeumporvir.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://segredosdeumporvir.blogspot.com/\x26vt\x3d-560577301979177114', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

Recordações: segredos de um porvir

São muitas as recordações, as que irei esquecer, e as que nunca hei-de lembrar. Como uma árvore e as suas folhas. Fecho os olhos. E, em segredo, relembro aquelas que, num outono, hão-de cair.

  • folhas de outras árvores

  • folhas no chão

    outros ramos

    soundtrack to your escape

    antípodas onde nunca chegarei...

    Á vida é um caminho que se conhece à media que se o traça, e que se traça à medida que se o percorre. Não um caminho já traçado que se percorre apenas.
    Vou caminhando o meu, que me trouxe a esta bifurcação. De resto, como tantas outras que a esta me trouxeram, e como outras tantas que a outras me leverão.
    Procuro-me auxiliar no meu mapa, mas ele é só lembranças das anteriores e em relação a esta, apenas me pode ajudar na medida em que, como sempre, terei que optar por traçar uma continuação do meu caminho, deixando qualquer uma das outras por traçar.
    Por vezes, porém, penso como seria a outra qualquer continuação, penso como seriam as antípodas... Raramente sinto que não deveria ter optado pela que optei, ao invés, sinto que deveria ter optado por uma que não a que optei. Nestes momentos, talvez gostasse de poder voltar, de voltar mesmo, atrás e mudar a minha escolha, não porque tivesse curiosidade em conhecer, em traçar, uma das outras continuações, mas porque achasse que iria preferir traçar qualquer uma das outras à que escolhi traçar.
    Mas, acaso, iria mudar o meu destino?..
    Esse não se pode mudar: não há outro com que o possa fazer: só existe o que escolhemos percorrer, todos os outros, aliás, como o que escolhemos mas com a diferença de não terem sido escolhidos, não são mais que hipotéticos caminhos que, porque não foram esolhidos, não deixaram de existir, apenas não existiram.
    Destino não é ser, é estar sendo, não é o fim do caminho já traçado, é caminhando-o até a ele chegar.
    É ter que optar e percorrer, é a contínua escolha do desconhecido pelo desconhecido e o consequente conhecimento, e essa sou eu quem faço e quem percorro.

    You can leave your response or bookmark this post to del.icio.us by using the links below.
    Comment | Bookmark | Go to end
    • Anonymous estigmA says so:
      8:59 da tarde  

      Tal como diz a música... Enquanto ao ver estrada... há caminho para percorrer e descobrir...
      E pensa quando optas por algo que não se pode voltar atras é por que não já não é uma opção. Opção é alternativa e a vida é a busca da dessa mesma alternativa ;)

      Não há o voltar atras mas há o começar de novo nesta vida ;) .

      A polegar top

    • Anonymous Anónimo says so:
      1:24 da tarde  

      É um pensamento interessante...Todos temos essa sensação de "como seria se tivesse feito de outra maneira?".Há um filme que fala precisamente sobre isso e mostra o "como seria" sobre dois caminhos que a personagem poderia seguir. Também há uma música de António Variações que diz "Estou bem aonde não estou, porque eu só quero ir aonde não vou, porque eu só estou bem aonde não estou..." Mas no fundo, o que somos nós senão actores em palco sem ensaios prévios? Sem sabermos para onde vamos, o que poderemos encontrar.Neste sentido, a vida é um mistério e sem sabermos vamos escrevendo na alma o que somos, o que escolhemos e até o que poderíamos ter escolhido...Não acredito no destino, o destino é o que escolhemos. Para mim, acreditar no destino significa passividade, significa que não importam as capacidades, os sonhos, os sentimentos, as acções, porque independentemente disto o destino já traçou o caminho e não se pode optar, não há nada que se possa fazer, porque se está subjugado a ele. Acreditar nisto é uma forma de nos desresponsabilizarmos de nós, dos nossos pensamentos e acções, porque "foi o destino", é uma doce forma de nos desculpabilizarmos.

      Estar numa floresta escura onde o sol não consegue penetrar por entre as ramagens densas das árvores centenárias e caminhar sem saber muito bem para onde, adaptando os olhos à escuridão para conseguir ver melhor... top

    • Anonymous elegy says so:
      2:52 da tarde  

      Só queria dizer que deverias usar mais imagens. As imagens transmitem melhor aos "cegos-d'espirito" o que tu queres mostrar.

      - Come to the Darkside, we have cookies! - top

    • Anonymous liliana says so:
      7:16 da tarde  

      estou simplesmente sem palavras...
      tive conhecimento do teu blog por uma coisa que dizes n gostar - hi5.n sei pk n gostas mas eu depois de ler tudo isto(o que escreves-t cm os comentarios)fiquei fascinada...a sério n tenho palavras para esplicar melhor...
      quero dar-t os parabens pela tua pagina ta realmente exelente.
      ja agr se kiseres passar pelo meu blog - www.segredosdeumporvir.blogspot.com - ta mt abaixo do k screves, mas...
      fika bem e continua a escrever... top

    • Anonymous liliana says so:
      10:24 da tarde  

      ups! dsclp enganei-me o meu blog
      - http://spaces.msn.com/members/3kajoli/Blog/ -
      bem screvendo d novo sobre o
      teu texto e comentarios, tb ja vi o tal film, de dois destinos, fascinante e faz-nos pensar na vida naquilo q seriamos se fosemos por outro caminho. pensar nas pessoas que conheceriamos, se estaria aqui hj ou n... acho k devias gostar d film, quando chega ao fim ficamos parvos com o~q acabamos d ver...
      agr sim xau top

    • Blogger Scarlett says so:
      2:01 da manhã  

      ...É como estarmos no cruzamento de ruas, darmos umas quantas voltas sobre o próprio eixo corporal e em seguida deixar que o vento incline o corpo para o caminho a seguir...mas no entanto é opção nossa percorre lo ou não!* top