<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d7542969\x26blogName\x3dRecorda%C3%A7%C3%B5es:+segredos+de+um+porvir\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttps://segredosdeumporvir.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://segredosdeumporvir.blogspot.com/\x26vt\x3d-560577301979177114', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

Recordações: segredos de um porvir

São muitas as recordações, as que irei esquecer, e as que nunca hei-de lembrar. Como uma árvore e as suas folhas. Fecho os olhos. E, em segredo, relembro aquelas que, num outono, hão-de cair.

  • folhas de outras árvores

  • folhas no chão

    outros ramos

    soundtrack to your escape

    calceteiro do esquecimento

    Passeio pela rua do esquecimento, permitindo-me a fazer ressoar o eco diferente de cada passo meu em cada uma das pedras que dela fazem parte. Por vezes, caminhando sem prestar especial atenção por onde, piso algumas, fazendo-as ecoar, por mais vezes do que as que gostaria. Mas, se as piso, mesmo que sem intenção, é porque elas se lá encontram e, se elas se lá encontram é para serem pisadas ecoando por toda a rua, é esse o seu objectivo. Além de ser esse o seu propósito, se as posso pisar, é porque as lá coloquei, porque pretendi que, num dado momento, elas servissem de caminho a meus passos.
    Sou eu quem escolho as pedras que vão continuar a minha rua. Sou eu quem lhes dou a forma para elas encacharem, mesmo umas nas outras. E sou eu quem as lá coloca.
    Mas, à parte de quem as coloca, es sou também essas pedras, porque elas expressam momentos em que eu fui. E, assim como não sou sozinho as pedras da minha rua, sou também parte das que dão caminho a outras ruas.
    Porém, sou eu que caminho na minha rua, e sou eu quem, porque posso escolher as pedras que dela fazem parte, lhe dou uma direcção, que é só uma, a que na altura eu escolhi.
    Sou eu quem caminha, quem me coloca, quem pisa e quem sou pisado. E sou eu quem me ouve ecoar...

    You can leave your response or bookmark this post to del.icio.us by using the links below.
    Comment | Bookmark | Go to end
    • Blogger Walter says so:
      11:16 da tarde  

      Mais uma vez muito bom...tornas fácil tudo aquilo que por vezes é tão díficil de dizer|

      Walter top

    • Blogger Vicarious says so:
      6:25 da tarde  

      muito obrigado! :) top

    • Blogger Scarlett says so:
      2:09 da manhã  

      de forma simples brincas com as palavras, com sentimentos, com memorias, com o destino... acabas por conseguir descrever com palavras o que mta gente sente, mas no entanto não dispoem de tal sensibilidade para descrever!* top