<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d7542969\x26blogName\x3dRecorda%C3%A7%C3%B5es:+segredos+de+um+porvir\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttps://segredosdeumporvir.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://segredosdeumporvir.blogspot.com/\x26vt\x3d-560577301979177114', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

Recordações: segredos de um porvir

São muitas as recordações, as que irei esquecer, e as que nunca hei-de lembrar. Como uma árvore e as suas folhas. Fecho os olhos. E, em segredo, relembro aquelas que, num outono, hão-de cair.

  • folhas de outras árvores

  • folhas no chão

    outros ramos

    soundtrack to your escape

    desculpa...

    "vem ter comigo ao J., preciso muito falar contigo...", disse-lhe ele. as saudades dele eram já insuportáveis, e a necessidade de o tocar, de o sentir era quase palpável. as coisas não iam bem, e esta frase lida causara-lhe um aperto tão grande...
    "vamo-nos sentar ali para conversar? tenho algo muito importante para te dizer...", disse-lhe ele, antes de nem um beijo que dissesse "olá!".
    por entre palavras soltas e carícias aumentava a tensão, tornava-se cada vez mais difícil respirar... e esta sensação de mau estar na barriga... nem ela com coragem para perguntar "que me queres dizer de tão importante?", nem ele com alento para lhe contar o que tinha tido o denodo de decidir contar-lhe... outra frase solta, mais uma carícia...um riso de vez em quando...
    "ah,.. não me olhes assim nos olhos, torna-se mais difícil para mim e tenho de arranjar coragem!", pediu-lhe ele.
    - está bem, concordou ela, após o que desviou o olhar.
    respirou fundo. ambos os corações batiam ao mesmo ritmo, apesar de acelerado.
    - eu beijei outra rapariga, confessou-lhe ele.
    (mas... dito assim, desta forma tão peremptória?, perguntou-se ela)
    adivinhara-se o fim, mas por qualquer outra razão... não esta. não podia ser verdade, ele não podia não estar a mentir. mas aquela incapacidade de olhar nos olhos, aquela incerteza do olhar pareceu-lhe tão incontestável. dissipava-se qualquer dúvida...
    o silêncio, e tão pesado mas ao mesmo tempo nada embaraçoso que era, instalou-se por um instante.
    depois... uma lágrima, e um "desculpa...". outra lágrima, agora deixada fugir por ele.
    "nunca pensei", murmurou ela. "sabia que a partir de hoje deixaríamos de ser nós, mas nunca, não, nunca por esta razão... não te achava capaz disto...", prosseguiu, soluçando, à medida que lhe escorriam lágrimas pelo rosto. ele, em silêncio, ia-as enxugando.
    "quem é ela?", procurou saber ela.
    - ahh, não conheces..., respondeu ele.
    - mas... já não gostas de mim?
    - sim, gosto... mas... não sei... estou confuso...
    (porque não disseste logo que não? não teria sido tão doloroso, acha ela)
    - apaixonaste-te por ela, vão namorar?
    - não, não! mas... estou confuso agora, não sei que sinto...
    "desculpa", pediu ele de novo.
    outra lágrima, deixou cair ela...e ele também...

    ... e teria sido uma tarde de verão como as outras... e teriam os restantes dias de verão sido diferentes, não lhe tivesse ele dito isto... não tivesse isto acontecido... pensa ela.

    You can leave your response or bookmark this post to del.icio.us by using the links below.
    Comment | Bookmark | Go to end
    • Anonymous Anónimo says so:
      4:55 da tarde  

      ler este post pareceu-me ler a minha própria história. vários anos passaram...os verões nunca mais foram os mesmos... top

    • Blogger Vicarious says so:
      7:15 da tarde  

      e como os teus e os dela, os verões de muitos outros nunca mais foram os mesmos. top

    • Anonymous fada says so:
      10:26 da tarde  

      entao q ddizer...??ddepois d tt tempo nao sabia q escrebias taum bem!! gstei mt deste texto assim cm d otos mais q mais tarde deixo qql coisinha a comntar!este e oto q ja li pa frente tocamme um bucado axo os parecidos cm qql coisa q vivi! só pa dizer obrigado pu td e pa independentemnte duq fores fazer nnc deixes d escrever e sobretudo d dar o prazer aos otros d poder ler aquilo q escreves taum bem* top